12/10/2008

PETER E OS BLOCOS DE GELO





Tínhamos falado muito em ti na noite anterior. A minha irmã disse-me que não te queres ir embora. Há anos que não pensava em ti. E de repente os meus pensamentos começam a ser invadidos pela tua imagem. Silencio. Um silencio no tempo e no espaço. Vejo o meu corpo estático no meio do quarto da minha mãe. Vou para sair mas o movimento fica interrompido num calafrio gelado que me puxa todos os pelos do corpo. Desce gelo pela minha espinal-medula? Sei que estás aí. Sinto-te. Pressinto-te. Que me queres? Que me queres dizer? O meu corpo congelado não se move mas conversa contigo. Não te temo. Não tenho medo de ti. Que nos queres? Porque não te vais embora? Porque não deixas a minha mãe dormir à noite ao lado do meu pai sem ter de fugir desses blocos de gelo? Que queres? Que ninguém se esqueça de ti? Ninguém se esquecerá de ti! Eu não me esquecerei de ti. Em vida, nunca gostei de ti, agora depois de morta não creio que passarei a gostar, mas não me esquecerei de ti. És a mãe do pai. Como posso esquecer-me de ti? Vai-te embora. Segue o teu caminho. Tens ainda tanto para fazer. Vai. E entendo que tenho de pendurar naquela parede as fotos do casamento dos meus pais, onde tu estás. Agora todos os dias olhamos para ti. Vês? Ninguém se esqueceu de ti. Vais parar de construir blocos de gelo em minha casa?

6 comentários:

sonjita disse...

Existem presenças me perturbam o bem estar... mesmo que até queridas!!! Bem, pode ser que seja uma pequena despedida antes de ter a coragem de seguir em frente...

BJs

korrosiva disse...

pedrinhoooooooo... nem acredito que a responder a um comentario num blog dou de "caras" contigo :)

Pelo nick não vais lá... mas dou-te duas dicas

1ª era a tua vizinha do lado
2ª tinhamos boas conversas no corredor ;)

bejinhosssssssssssssssssss grandes e saudades das nossas conversas :)

korrosiva disse...

P.S. o teu blog é LINDO!!!
Como tu ;)

pedropina disse...

Ana.....?!

korrosiva disse...

Ora nem mais!! :)

beijinhossssssssssss

temporaria_mente insana disse...

oi pedro,
q saudades, ainda hj passei na tua terra, se ainda é a mesma...

perto de setubal, qtªa do anjo.....

contunuas com as tuas crónicas lindas de morrer.

beijos