31/10/2008

PETER NOS DIAS QUE NÃO EXISTEM


O roupão aperta-se num nó aconchegante, por cima de um casaco de malha. A janela continua fechada. Existe um passeio demorado e lento entre o quarto e a sala. O cobertor do sofá enrola-se. Os olhos pesados fecham-se. A boca abre-se. Parece sair uma espécie de dor vulcanica que arranha. Ontem era hoje. E hoje eu contiuo ali deitado. O cobertor continua ali. Nos bolsos do roupão moram lenços de papel amachucados. O eco dum espirro. O de ontem? Aperto mais o roupão. Vou ficar aqui mais um bocadinho. A cabeça tonta adormece, ou acorda. Não sei. Existem dias que não existem.

8 comentários:

DANTE disse...

Tás doente pois. Esse é o único passado que nos afecta o presente de uma forma instantanea.
'Ontem estava mal , e hoje viajei no tempo e trouxe a bagagem d'ontem.' lol

As melhoras pedro
Um abraço

korrosiva disse...

Há tantos dias assim.. que o corpo não acompanha a mente, e a mente nem se sente parte de um corpo :{

as tuas melhoras ;)
beijinhosss

Ruka disse...

Só me resta te desejar as melhoras!

Xana disse...

As melhoras pedrocas.

Little Tiago Boy disse...

As melhoras ;)

Obrigado pela visita, comments e add nos favoritos ;)

Kisses & Hugz,
Little Tiago Boy

pedropina disse...

dante, korrosiva, ruka, xana, tiago:

muito obrgd, já tou melhor, kuase bom!

Alien David Sousa disse...

Espero que já estejas bem melhor quando leres estas linhas. :)

beijinhos

pedropina disse...

Alien, já ja tava bem melhor kdo te li, e dp fikei pior e agora ja tou bom LOL bju