05/07/2009

PETER E O SILÊNCIO DO TELEMÓVEL IMÓVEL


O silêncio. O silêncio desta sala vazia, na qual o único movimento é o da minha mão a abrir o telemóvel. Olho esse telefone que não toca. Abro-o vezes seguidas na esperança de uma mensagem que me fale de ti. Sinto que o ouço, mas não o ouvi. Quero tanto que toque, que sinto que toca. Não toca. Volto à sala. Tocou? Abro-o repentinamente na esperança de ver o teu nome perdido no écran. Não tocou. Não tocaste. O silêncio. O silêncio dum telemóvel imóvel. Leio repetidamente a tua ultima mensagem. Vejo as horas. Vejo a hora da tua ultima chamada. Faço as contas. Já passou tanto tempo em silêncio. O silêncio. O silêncio desse telemóvel imóvel. Não me movo. Finjo não estar aqui, para que o telefone me surpreenda. Tocou? Não tocou. Onde estás?

8 comentários:

Ragof disse...

Esta fixe o texto...
Sei exactamente o q é isso lol

pedropina disse...

Ragof: infelizmente...

Paulo disse...

. aproveita este silêncio de um momento apenas

. para introspectiva.mente saberes de ti

. um abraço apertado pedro.
. uma boa semana.

pedropina disse...

Paulo: não sei de mim, de facto,..., pk me falta uma parte...

Shirlei disse...

Mergulhados no própio silêncio, temos a oportunidade de ouvir os sussurros guardados na alma, aqueles que nossa rotina náo nos permite nunca perceber...Acredito que o nossos aparelhos telefonicos mudos,podem nos dizer muito.

ps- estou devorando seus post's, são rápidos e intensos...Passarei aqui mais vezes...

pedropina disse...

Shirlei : sim, por vezes existem sussurros importantes de ouvir nessas pausas silenciosas...

Mikas disse...

Conheço essa ansiedade, sei a que sabe essa espera. Passa, por mais que demore.

PEDRO PINA disse...

Mikas: o tempo de passar..é o k mais custa...