19/08/2009

PETER E A FLOR


Se uma flor perder as suas pétalas, deixa de ser uma flor? Se uma flor perder a sua cor, deixa de ser uma flor? Se uma flor perder o seu cheiro, deixa de ser uma flor? O caule está direito. Da raiz, ligada à terra, sai um liquido que percorre todo o caule. Tu não a vês. Mas ela está ali. Respira devagar esse sol, na esperança que um novo cheiro a pinte, que uma nova cor a lave. Espera poder abrir os braços ao sol e sorrir espreguiçando-se. Estou aqui. Não me vês? Olha para dentro de mim, não olhes para o meu invólucro. Não passa de um corpo intemporal que habito hoje. Fecha os olhos e olha para dentro de mim. Estou aqui. A essência de mim, encontra-se dentro deste caule e vem-me da raiz. Cortaram-me os braços, perdi a cor e o cheiro. Deixei de ser eu?

24 comentários:

Jay e Alê disse...

Oi Pedro,

Obrigado pela visita no Ká entre nós e por deixar suas pegadas lá.
Gostei muito de seu blog,o layout é expressivo e seus escritos são extremamente sensíveis e cheio de uma realidade marcada pela beleza da alma sua.
Abraço,

Jay

Mikas disse...

Não sei... há dias em que é muito difícil perceber...

PEDRO PINA disse...

Jay e Alê : mt obrgd! abraço

PEDRO PINA disse...

Mikas : eu continuo a acreditar que sim!

S* disse...

Desde que nao perca a essência, a base e a raiz, continua a ser uma flor.

PEDRO PINA disse...

S* : é exactamenre nisso em k acredito!

Brancamar disse...

Esta tua reflexão é extraordináriamente profunda.
Nos últimos dias é a terceira vez que um post me sugere o Principezinho de Saint-Éxupery.
O teu sugere-me que:

"Só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos."

Adorei o texto.
Parabéns.
Beijinhos

Rapunzel disse...

Era bom que ninguém se deixasse deslumbrar APENAS pela côr e cheiro das flores...

Bjs

Hyndra disse...

Nao deixas de ser tu. Nao deixamos de ser nós aconteça lá o que acontecer ao invólucro que nos transporta e protege a alma! O problema é que às vezes, infelizmente, para algumas pessoas, é muito difícil ver para além do físico. E nao devia ser assim!

PEDRO PINA disse...

Brancamar: é tao verdade essa analogia! obrgd!

PEDRO PINA disse...

Rapunzel : sim...pk o verdadeiro deslumbrar está lá dentro!

PEDRO PINA disse...

Hyndra: se todos fossemos cegos nao nos fikamos plo obstaculo do invólucro e descobriamos directamente a essencia!

Aprendiz disse...

A essência está na raiz, é ela que comanda o destino da flor. Aliás, as plantas são seres com a cabeça enterrada e os órgãos sexuais em cima, i.e. um animal ao contrário. Quando percebi isso nunca mais olhei uma flor da mesma maneira.

Abraço

PEDRO PINA disse...

Aprendiz : tao bonito o k disseste! nunca tinha pensado nisso!

Hyndra disse...

É verdade!

aquelabruxa disse...

:(
que trsite, triste verdade. não tenho resposta.

PEDRO PINA disse...

Hyndra: :))))

PEDRO PINA disse...

aquelabruxa : triste pk?....

Green Eyes disse...

adorei :))

li os outros todos que ainda não tinha lido e o meu comentário colectivo é...

Adorei :)

beijinhos
gosto muito de aqui vir

PEDRO PINA disse...

Green Eyes : ohhh obrgd! volta sempre! :)

izzie disse...

Olá Pedro!

Primeiro que tudo, peço desculpa pela demora na visita... mas o trabalho, o trabalho!... e agradeço que me tenhas encontrado.
O teu mundo, a tua alma são lindas.
Estou perdida nos teus textos, quele perdido, de vaguear feliz numa nova descoberta... entre acenos, sorrisos.
Obrigada!
Deixo este olá aqui... como podia estar num outro texto... mas neste revejo-me, agora.
Um beijo grande... vou continuar por aqui.

PEDRO PINA disse...

izzie: oh obrgd plas tuas palavras! um beiju

Rabisco disse...

Da flor podiam cair todas as partes...mas a flor continuaria a existir sempre na nossa cabeça.
Mas mais importante que a flor e a sua imagem é o que ela representa e essa sensação face à sua existência vale bem mais que qualquer cor, qualquer número infinito de pétalas... a sua essência é a única coisa que nos imposta e que nunca se vai...

PEDRO PINA disse...

Rabisco : tb acredito k a essência nunca deixará de existir, ainda tenha estado adormecida durante algum tempo!