10/02/2010

PETER E A VIAGEM LIBERTADORA


Ele deita-se calmamente sobre a água fria. Vejo o seu corpo desaparecer. Fecha os olhos pesados e mergulha num mar de memórias quentes que reflectem toda a sua vida. O seu corpo despido de roupa e de medos adormece dentro do mar. E sem saber nadar inicia aqui a viagem libertadora da vida. Antes de fechar os olhos, olhou para as suas pegadas gravadas na areia enquanto engolia esses pequenos comprimidos numa mão cheia de adeus. Ele deita-se calmante sobre essa água agora sem qualquer temperatura já que o seu corpo se liberta de si mesmo para poder sentir seja o que for. Foi assim que imaginou essa viagem libertadora até ao fundo do mar. É assim que um dia se irá calmamente despedir.

6 comentários:

Brancamar disse...

Bem vindo Pedro,

Feliz por o ver de volta.
Reparei agora que estava cá de novo, estou de saída para trabalhar, mas volto logo para ler todas as suas novidades.
Seja bem-vindo, com muita alegria.
Branca

Hyndra disse...

Lindo o texto.

Bom ter-te de volta...

Brancamar disse...

Lindo texto, reflexões sempre impressionante as suas, mas o mar é um lugar belo de vida e paz...um lugar calmo para despedidas também...tranquilas. :)
Beijinhos
Branca

. intemporal . disse...

.

. estás ainda melhor do/no melhor que és .

. bem-vindo,,, .

.

PEDRO PINA disse...

a todos: obrgd plo vosso carinho! tive mxm k silenciar por alguns meses, axo k o motivo estav bem esplicito nos ultimos textos antes de outubro! nao virei com tanta regularidade mas virei!

Anónimo disse...

Olá, antes de mais peço desculpa por estar como "anónimo" mas também não vale a pena assinar com o meu verdadeiro nome uma vez que não me conheces e nem tenho blog que me possa identificar.
Adorei o blog, os textos, a escrita e a melancolia que elas transmitem. Deves ser alguém com o espírito e imaginação muito forte para descreveres as coisas desse modo. Tenho andado a ver blogs atrás de blogs, gostei da escrita de uns e do sentido de humor de outros mas ainda não tinha visto um tão profundo, singular e carregado de sentimentos como o teu.
Pode até ser um lado "teatral" teu ou então coisas genuínas que te correm nas veias mas digo-te, só com olhos artísticos ou poéticos é que a realidade torna-se mais bela. Sem isso é apenas algo sem cor. Crú, nú, seco e feio!
Parabéns!
Beijinhos